sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Grupos sociais primários e secundários

grupo de amigos          fábrica chinesa

«Os grupos sociais podem ser muito diversos. Quatro amigos que vão regularmente jogar ténis ao domingo, uma família, os estudantes de um seminário, os empregados de um estabelecimento da FIAT. Todos estes conjuntos de pessoas podem ser descritos como grupos, mas enquanto os amigos e a família constituem grupos primários, os empregados da FIAT são um grupo secundário e o grupo de estudantes pode pertencer a ambas as tipologias [consoante o tipo de interacção que estabelecerem entre si].

A expressão ‘grupo primário’ foi criada por Charles Cooley para definir um grupo constituído por um número limitado de pessoas que interagem imediatamente e de modo directo e pessoal (contacto face-a-face).

Enquanto um grupo primário é constituído por um número reduzido de indivíduos, que mediante uma relação interpessoal de tipo de tipo afectivo desenvolvem um forte sentimento de identificação colectiva, o grupo secundário é habitualmente composto por um maior número de membros, cujas relações interpessoais são quase sempre afectivamente neutras; além disso, neste tipo de grupo as relações entre o indivíduo e os outros membros do grupo são de tipo instrumental, isto é, funcionais para a consecução de um objectivo.»

Adaptado a partir de: Lúcia Demartis, Compêndio de Sociologia, Edições 70, Lisboa, 2006, pág. 79-80.

Além disso, nos grupos secundários existem muitos mais normas formais do que nos grupos primários. A hierarquia é também mais explícita e formal que nestes. Nos grupos secundárias é frequente existirem interacções indirectas (carta, telefone, fax, email, etc.), o que não sucede nos primários.

3 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde, professor

Tenho uma dúvida: a identificação colectiva desenvolvida no grupo primário também se aplica ao grupo secundário? Diferem no que diz respeito ao grau de pertença a um "nós"?

Viktoriya

Carlos Pires disse...

Boa tarde, Viktoriya.

Claro que existe sentimento pertença em ambos os casos.
De modo geral, esse sentimento é mais forte nos grupos primários do que nos secundários.
Pequenos grupos como a família e os amigos contribuem de modo mais relevante para a identidade do indivíduo (para a sua percepção de quem é) do que grandes grupos como as empresas.
Contudo, em contextos sociais em que certos grupos sociais secundários (como os grandes clubes de futebol) sejam muito valorizados pode suceder que algumas pessoas sintam uma pertença mais forte relativamente a esses grupos que em relação à própria família.
Poderá isso suceder a qualquer pessoa ou apenas a pessoas com certas características psicológicas (como falta de auto estima, passividade, etc.)?
Não tenho a certeza mas julgo que a 2ª hipótese é mais plausível.
Seja como for, já ouvi muitas vezes dizer "o Benfica (ou o Porto ou o Sporting ou... os Comandos) é a minha família". Já ouvi inclusivamente dizer: "gosto mais do Benfica do que de mim".

Rivaldir disse...

Quais são os Fenômenos Psicossociais nos grupos primários.